Projeto Lontra

O chef Jean-Christophe Burlaud já estava há algum tempo na feira de produtos orgânicos da Barra Funda, em São Paulo, quando a sua filha pequena começou a ficar aflita para ir embora. Como ele ainda queria ver mais coisas, avistou uma barraca que oferecia geléias e levou sua filha até lá para agradá-la com um docinho. Foi neste momento que ele encontrou os pratos de cerâmica em formato de folhas da Mata Atlântica que as mulheres artesãs da região da represa Billings, chamada de Pós-balsa, em São Bernardo do Campo, faziam para vender.

Desse instante de segundo até o primeiro jantar com os pratos da Rede Balsear no restaurante Taste It Food & Lounge, do Hotel Pullman SP Ibrapuera, onde o chef atua, transcorreram seis meses intensos de criação, desenvolvimento e produção. Mas, a partir de agora, a entrada, o prato principal e a sobremesa dos jantares do restaurante serão servidos nos pratos feitos à mão pelas mulheres. E a Rede Balsear terá encomendas para girar a produção e conquistar crescimento econômico da comunidade de mulheres artesãs.

Uma ação que parece simples – escolher o serviço de mesa – tem um forte potencial transformador – tanto para a comunidade de artesãs, como para o próprio hotel Pullman, a rede upscale do grupo hoteleiro francês Accor. E isso ficou claro no jantar especial de lançamento das louças artesanais que recebeu o nome de Connect – as artesãs Vanderléa Lima, Fernanda Cristina Bezerra dos Santos, Shirley Aparecida Torrici, da rede Balsear, nunca haviam sentado à mesa como convidadas para um jantar servido à francesa. E ainda ao lado de executivos seniores como o Philippe Trapp, COO LUXE & Lifestyle Brands South America, e a vice-presidente sênior Jurídica de Riscos e Compliance da AccorHotels América do Sul e, Magda Kiehl. Foi um marco de um relacionamento que está começando.

Jantar Connect, no restaurante Taste It Food & Lounge do Pullman SP Ibirapuera

Magda Kiehl comemora o projeto que traz para a vida real os propósitos corporativos do empoderamento feminino e da valorização da sustentabilidade, a diversidade e promoção da equidade que são parte da estratégia da companhia. “É maravilhoso ver o trabalho delas reconhecido e saber que a Accor pode contribuir para o desenvolvimento da comunidade”, disse.

“Nós não queremos só dinheiro. Queremos oportunidades de nos valorizar e de valorizar a nossa região, preservando a mata e a represa, disse Vanderléa que é uma das coordenadoras da Rede Balsear.

O processo

Na sua visita à feira da Barra Funda, o chef Jean e a Vanderléa trocaram os números de Whatsapp e começaram a conversar.  Com dificuldade. A comunidade das mulheres artesãs, onde está a rede Balsear, fica em uma região chamada pós-balsa, em São Bernardo do Campo, onde não há sinal de telefone, nem de internet. Mas eles não se intimidaram. Além das trocas de mensagens, o chef e outros profissionais da Accor visitaram a Rede Balsear para conhecer a produção, definir o desenho de cada peça, ajustar as cores, os formatos, os acabamentos e detalhes que fariam dessas peças utilitárias objetos de design contemporâneo. “Agora somos parte do processo de fabricação desses pratos que vamos levar à mesa”, disse o chef Jean.

As artesãs não tinham noção do tamanho do projeto, ou do cliente a que estavam atendendo. “Foi só a primeira vez que vim no Hotel que entendi que o negócio era grande. E ver uma peça nossa sendo valorizada neste mundo faz com que a gente entenda que pode ir até onde a gente quiser. Nunca pensei que fosse ganhar dinheiro com artesanato. O chef nos deu essa visão”, disse a artesã Fernanda.

O conceito de representar a flora da Mata Atlântica em utilitários de cozinha já era da origem da Rede Balsear, que foi criada em 2013. O jogo escolhido para o Taste It é composto de peças inspiradas em folhas de taioba, mamona, gota de água, flores e troncos da mata. O tempo de produção das encomendas é de aproximadamente 60 dias, já que hoje a rede conta com apenas um forno para a queima da cerâmica. Então elas produzem também geléia de Cambuci, uma fruta também típica da Mata Atlântica. Além disso, a Rede Balsear recebe grupos fechados de 10 pessoas para oficinas de cerâmica e passeios pelos pontos não poluídos da represa Billings. A atividade principal da artesã Shirley é ser pescadora. “Aprendi uma nova atividade para realizar no período que não há pesca”, disse.

O gerente geral do Pullmann SP Ibirapuera, Jarves Rockenbach, disse que a movimentação do projeto foi tão intensa que outras unidades da marca já querem implementar as cerâmicas da Rede Balsear. “Além de empoderar as mulheres, este projeto traz o artesanato para oferecer uma experiência local para os nossos hóspedes. É acolhedor”, disse Jarves.

 

Objetivos do Desenvolvimento Sustentável Associados

 

ODS 1: FIM DA POBREZA

O turismo está bem posicionado para promover o crescimento econômico e fornecer renda por meio da criação de empregos (seja nos grandes empreendimentos, ou nas pequenas empresas da cadeia de valor) empoderando jovens e mulheres, em particular.

ODS 5: IGUALDADE DE GÊNERO

O turismo pode empoderar as mulheres, particularmente pela geração de empregos diretos e geração de renda de PMEs em empreendimentos turísticos e relacionados à hospitalidade.

Leia mais: https://viasustentavel.com.br/como-fazer-o-turismo-sustentavel/

 

4 COMENTÁRIOS

  1. Parabéns ao Chef Burlaud , ao Hotel Pullman Ibirapuera e as Artesãs !!! muito feliz que esse encontro tenha acontecido e desejo mais e mais sucesso a todos os envolvidos !!!

  2. A Região do Pós-balsa não pertence à Baixada Santista. Pertence ao município de São Bernardo do Campo. Por favor, corrijam essa informação. A Prefeitura de São Bernardo trabalha muito no apoio dessa e de outras iniciativas na região.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here